terça-feira, 17 de agosto de 2010

Folhas secas









O tempo varreu
Folhas secas
Do passado

O chão do peito
Já respira
Aliviado

E o que era
Pra ser inverno
Eterno

Hibernando
Em sono
Profundo

Agora aflora
Imponente
E fecundo

Arvorando
Reluzente
Em primavera...

Um comentário:

  1. Muchas gracias,
    poeta,
    pelos sonhos reluzentes;

    pelas mil e uma faces
    da estrela polar
    no céu;

    pelas flores
    que não vão embora
    que apostam no retorno

    da primavera.

    Tu és lindo.

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita e volte sempre!